Voltar

Subdiretor-Geral da Saúde reforça o apelo à vacinação

vacinas desktop

Diogo Cruz, Subdiretor-Geral da Saúde, voltou a apelar aos portugueses que cumpram o que está previsto no Programa Nacional de Vacinação (PNV) durante a pandemia de COVID-19, sugerindo que “marquem as vacinas” para que “não se façam filas nos centros de saúde”. “Mantenham a vacinação”, insistiu.
Questionado sobre a diminuição da vacinação para metade no mês de abril (de 500.000 vacinas em 2019 para 250.000 em 2020), o responsável confirmou que “houve uma quebra da taxa de vacinação neste período de confinamento, apesar de todas as solicitações para que isso não ocorresse”.
“É natural que quando pedimos às pessoas para se confinarem em casa, que as pessoas tentem cumprir esse confinamento”, disse Diogo Cruz, ressalvando que foi transmitida diversas vezes a mensagem que algumas situações de saúde, como a vacinação, deveriam ser exceção. “Reitero a necessidade de ser cumprir o PNV criteriosamente”, sublinhou.
Reconhecendo que já era esperada uma quebra neste período, o Subdiretor-Geral da Saúde afirmou que espera que seja recuperada nos próximos tempos. “Os centros de saúde são sítios seguros. Temos zonas COVID e não COVID e as pessoas podem e devem deslocar-se para fazer a vacinação”.
De acordo com o relatório epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal regista 25.702 casos confirmados de COVID-19, o que representa mais 178 do que no dia de ontem, o equivalente a um aumento de 0.7%. Por outro lado, verificam-se 818 casos em internamento, dos quais 134 em unidades de Cuidados Intensivos (menos 9 do que na segunda-feira).
A última atualização revela que existem 1.743 casos de recuperação (mais 31), que correspondem a 6.8% do total de casos confirmados, e 1.074 óbitos.
Neste momento, a taxa de letalidade global é de 4.2% e ascende aos 14.9% na população acima dos 70 anos. Do total de infetados, cerca de 85.9% encontram-se em tratamento domiciliário e 3.2% em internamento, sendo que 0.5% em unidades de Cuidados Intensivos e 2.7% em enfermaria.