Voltar

SNS tem capacidade de responder às necessidades

soro banner

A Ministra da Saúde, Marta Temido, garantiu esta sexta-feira que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem capacidade de responder às necessidades assistenciais de quem dele precisar.

Na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia da COVID-19, a governante quis deixar uma mensagem de tranquilidade relativamente à segurança do sistema de saúde.

“Mesmo que todos estejam cansados, os profissionais do SNS continuam a estar lá, a saúde pública está a fazer o seu trabalho, os hospitais estão a fazer o seu trabalho, os cuidados de saúde primários estão a fazer o seu trabalho”, afirmou.

Destacando que nem sempre existem “explicações evidentes para a evolução das doenças”, Marta Temido reforçou que aos serviços de saúde “incumbe dar resposta às necessidades assistenciais”. Isso está a ser feito, garantiu, “e continuará a ser feito, ainda que o ritmo a que retomamos as nossas vidas não seja aquele que todos desejávamos”.

À data, adiantou, Portugal tem 402 camas de enfermaria com doentes COVID-19 e 67 em Cuidados Intensivos. No total, recordou, o país tem 21.500 camas hospitalares no SNS e 534 de Cuidados Intensivos Polivalentes de adultos.

“A rede do SNS tem, portanto, capacidade para garantir o que dela se precisa neste momento, mas isso não nos deve nem nos pode fazer baixar a guarda. Podem estar certos que não a baixaremos”, assegurou a responsável.

Como é habitual, a conferência de imprensa começou com uma atualização dos números. De acordo com o boletim epidemiológico publicado esta sexta-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal regista mais 451 casos de COVID-19, o que eleva o total de infetados para 40.866.

A última atualização indica que o país tem agora 26.633 pessoas recuperadas da infeção provocada pelo novo coronavírus, o que significa um crescimento de 251 em relação ao dia de ontem.

Com um total de 1.555 óbitos (mais 6 do que na quinta-feira), o país apresenta uma taxa de letalidade global de 3.8%, que sobe para 16.5% na população com mais de 70 anos.