Voltar

“Se os avós forem vulneráveis, devem ser protegidos”

06/05/2020
idosos no computador banner

O aviso foi deixado esta quarta-feira pela Diretora-Geral da Saúde: “Se os avós já tiverem uma idade avançada, nomeadamente 65, 70 anos ou mais, e tiverem patologia associada, têm que ser observadas precauções”.

Em declarações aos jornalistas na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia de COVID-19, Graça Freitas lembrou que “se os avós forem vulneráveis, devem ser protegidos”.

Questionada sobre a forma como deverá ser feita a convivência entre avós e netos, explicou que isso dependerá da situação em que se encontram os avós.

“Há avós que são jovens, sem fatores de risco adicionais […] Aí a convivência é uma convivência no âmbito do agregado familiar e não envolve nenhum risco acrescido para população que seja mais vulnerável”, esclareceu.

Quando os avós têm idade avançada e patologias associadas, “o convívio familiar com estas pessoas deve fazer-se mantendo todas as medidas que temos recomendado de distanciamento social, de higiene das mãos, de etiqueta respiratória, de utilização de máscaras”.

A Diretora-Geral da Saúde revelou ainda que vai ser publicado hoje um manual – “Saúde e atividades diárias – Medidas de prevenção e controlo da COVID-19”, que tem uma série de orientações genéricas e específicas, que serão ”guias para a população em geral, enquanto cliente de certos espaços, e para os operadores desses espaços”.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde, Portugal regista esta quarta-feira 26.182 casos confirmados de COVID-19, mais 480 do que na terça-feira, o que representa um aumento de 1.9%.

Neste momento, há 838 casos em internamento, dos quais 136 em unidades de Cuidados Intensivos. Registam-se ainda 2.076 casos de recuperação (mais 333 do que ontem) e 1.089 óbitos.

A taxa de letalidade global é de 4.2% e ascende aos 15% acima dos 70 anos. Do total de infetados, 84.7% estão em tratamento domiciliário e 3.2% em internamento (0.5% em unidades de Cuidados Intensivos e 2.7% em enfermaria).