Voltar

Portugal já ultrapassou a barreira dos 900 mil testes de diagnóstico à COVID-19

06/06/2020
testes banner

A Ministra da Saúde, Marta Temido, adiantou este sábado que Portugal já realizou mais de 908.000 testes de diagnóstico à COVID-19 desde o início de março, dos quais 8,8% em março, 38% em abril, 46% em maio e 6.6% em junho.

Em declarações aos jornalistas na conferência de imprensa sobre a pandemia COVID-19, a governante explicou que este número diz respeito ao número de testes global e não apenas de novos casos.

Este valor de testes de diagnóstico, esclareceu, abrange não só os testes de novos casos, mas os testes de repetição de doentes curados ou até de verificação de casos positivos.

“O número de testes não tem parado de aumentar e, nos últimos dias, em função das atividades de rastreio, esse número cresceu significativamente na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) e situa-se agora na ordem dos 14.000”, explicou Marta Temido.

“Nos últimos dias, tem havido uma incidência que ainda não está totalmente como queríamos que estivesse em alguns concelhos da Área Metropolitana de Lisboa, concretamente em Lisboa, Loures, Amadora, Odivelas e Sintra, que são os concelhos que mais nos preocupam e que têm merecido a nossa atenção”, disse a Ministra da Saúde.

Neste momento, adiantou, os dados indicam que até ao dia 5 de junho “tínhamos uma incidência cumulativa de 555 casos em Lisboa, 545 em Loures, 504 na Amadora, de 402 casos em Odivelas e 391 casos em Sintra. Estes são casos novos que foram reportados nos últimos 14 dias e serão casos que se mantêm ativos”.

Questionada sobre os surtos em empresas, a governante explicou que as autoridades de saúde não vão informar quantos casos são reportados em cada local, por considerarem que isso não traz “nenhuma vantagem” ao trabalho que tem de ser realizado. No entanto, revelou, a percentagem de positivos nos últimos dias situa-se em torno dos 4.6% (dados que não refletem os números das últimas 24 horas).

Sobre a existência de casos no Bombarral, a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, disse que “temos informação das autoridades de saúde que algumas empresas no Bombarral, sobretudo as que têm funcionários temporários, têm apresentado casos, mas que no seu conjunto não configuram um número extraordinariamente elevado. São pequenos números de casos em várias empresas”.

Ao contrário do que é habitual, a conferência de imprensa não começou com a atualização dos dados. Em causa está uma alteração técnica nas configurações de acesso, não comunicada previamente, num sistema crítico da Microsoft. Esta intervenção afetou sistemas em vários países europeus e teve como consequência o atraso do acesso dos técnicos da DGS aos dados que permitem a construção do boletim.

Os acessos foram recuperados, mas a geração do boletim na hora habitual ficou comprometida, em virtude da instabilidade gerada por esta intervenção.

Ressalvando que os dados vão ser disponibilizados mais tarde, a Ministra da Saúde garantiu que voltará a estar disponível para esclarecimentos, juntamente com a Diretora-Geral da Saúde.