Voltar

Portugal já realizou 450 mil testes de diagnóstico à COVID-19

testes banner

Desde o dia 1 de março foram realizados cerca de 450.000 testes de diagnóstico à COVID-19 em Portugal, registando-se atualmente uma média de 11.500 testes por dia, adiantou esta segunda-feira o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia.

Segundo o governante, o dia 30 de abril foi aquele em que se realizaram mais testes, com um total de mais de 16.200 amostras recolhidas. Do acumulado de testes até à data, cerca de 46% foram processados em laboratórios do setor público, 43% nos privados e quase 11% nos laboratórios de outras instituições, nomeadamente no militar e nas instituições académicas.

“Este esforço conjunto e o envolvimento de todos tem sido crucial para que Portugal tenha conseguido aumentar a sua capacidade de testagem para níveis que nos devem deixar a todos satisfeitos”, afirmou o Secretário de Estado, destacando que “estamos a testar muito mais” em Portugal.

Neste momento, adiantou, Portugal está a realizar 41.860 testes de diagnóstico por milhão de habitantes, o que apenas o coloca atrás de países pequenos como o Chipre e Malta na lista dos que mais testam.

Em declarações aos jornalistas, Lacerda Sales referiu que existem hoje cerca de 175.000 utentes inscritos na plataforma Trace COVID, ou seja, “que foram acompanhados ou estão em acompanhamento, em casa, pelo seu médico de família”.

Sobre a atualização de dados, o governante destacou ainda que a linha de apoio psicológico do SNS 24 já recebeu mais de 200 chamadas e a linha de atendimento para surdos (através de videochamada) regista 30 atendimentos desde o dia 20 de abril.

De acordo com o relatório epidemiológico publicado esta segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal regista 25.524 casos confirmados de COVID-19, o que representa mais 242 do que no dia de ontem (mais 1%). Por outro lado, verificam-se 813 casos em internamento (menos 43), dos quais 143 em unidades de Cuidados Intensivos (menos 1).

O boletim indica ainda a existência de 1.712 casos de recuperação e 1.063 óbitos. Neste momento, a taxa de letalidade global é de 4.2% e de 14.9% acima dos 70 anos.