Voltar

Portugal adquire 500 ventiladores e 280 mil testes

24/03/2020
sala de operações banner

O Estado português está a adquirir 500 ventiladores à China e encomendou também 280 mil testes ao novo coronavírus, dos quais 80 mil serão entregues ainda esta semana, adiantou esta terça-feira o Secretário de Estado da Saúde, António Sales, na conferência de imprensa de atualização dos dados relativos à epidemia de COVID-19.

“Estamos a desenvolver os procedimentos necessários para a aquisição de 500 ventiladores na China, que chegarão progressivamente até meados de abril, para além dos vários donativos que agradecemos”, adiantou António Sales, destacando que, por outro lado, “estão também encomendados 280 mil testes e esta semana chegarão ainda 80 mil”.

Questionado sobre as dúvidas que existem relativamente ao número de testes disponíveis em Portugal, o Secretário de Estado da Saúde esclareceu que o país tem um “stock de cerca de 30.000 testes por dia”, uma capacidade diária de 4.000 e está a testar 2.000, 2.300 por dia.

A capacidade é superior ao número de testes que estão a ser realizados, mas não é porque Portugal esteja a poupar, garantiu António Sales. “Não estamos a poupar em testes, não estamos a poupar em alocação de recursos financeiros. Não estamos a poupar em nada. Estamos a fazê-lo de uma forma séria, responsável e racional”, assegurou aos jornalistas.

Se os “casos começarem a aumentar, se a estratificação dos grupos de risco for bem definida”, admite-se, no entanto, “avançar para testagem com maior número”. Neste momento, “estamos a testar profissionais de saúde sintomáticos e estamos a ponderar testar profissionais de saúde assintomáticos que possam ter tido contactos em cadeia com doentes COVID, tal e qual como pessoas que trabalham com populações mais vulneráveis em lares e residências de idosos”.

Sobre a população dos lares de idosos, a Norma 004/2020, publicada na segunda-feira, prevê que façam parte do grupo prioritário no acesso aos testes: “Estamos a adaptar-nos a esta evolução [da epidemia] e, por isso mesmo, a norma que vai produzir efeitos a partir do dia 26 já tem como um dos critérios de prioridade doentes em lares e em unidades de convalescença […] Sentimos que esta população mais vulnerável tem que ser defendida, tal e qual como os profissionais que trabalham com esta população”.

Relativamente às queixas de acompanhantes impedidos de assistir aos partos, o Sub-Diretor-Geral da Saúde, Diogo Cruz, adiantou que a DGS vai emitir uma orientação sobre grávidas. “Estamos a analisar e vamos, muito em breve, emitir uma orientação sobre esse assunto”.

Questionado sobre a massificação de testes, Diogo Cruz esclareceu que a norma 004/2020 “alarga muito o número de testes que vamos passar a fazer diariamente”. Enquanto até aqui os sintomas tinham de ser associados à região de onde a pessoa vinha para ser sujeita a teste, “a norma passa a indicar e a permitir que se façam testes a todas as pessoas ao mínimo sintoma que apresentem. Não é [preciso] ter febre e ter tosse. Basta ter febre, basta ter tosse”. Com a entrada em vigor da norma, Portugal vai “massificar o teste para todos os doentes que sejam sintomáticos e permitir que os clínicos decidam localmente quem querem testar”.

Segundo o boletim epidemiológico divulgado esta terça-feira pela DGS, Portugal tem 2.362 pessoas infetadas pelo novo coronavírus (mais 302 do que no dia),a grande maioria (2.159) está a recuperar em casa e 203 estão internadas, das quais 48 em Unidades de Cuidados Intensivos. O número de mortes associadas ao vírus subiu para 33 e o número de pessoas recuperadas para 22.