Voltar

Novos casos sobem 0.5%. Curva da mortalidade mostra “diminuição consistente”

09/05/2020
idosa banner

Portugal regista este sábado 27.406 casos confirmados de COVID-19, mais 138 do que na sexta-feira, o que se traduz num crescimento de 0.5% dos casos. Do total de novos casos, 45 foram registados na região Norte, 17 na região Centro, 73 em Lisboa e Vale do Tejo e 3 no Alentejo.

Os dados foram apresentados pela Ministra da Saúde, Marta Temido, na conferência de imprensa de atualização da informação sobre a pandemia de COVID-19, que até este sábado provocou 1.126 óbitos em Portugal.

Em relação ao boletim de sexta-feira, regista-se uma subida de 12 mortes por COVID-19, metade em pessoas com mais de 80 anos. Neste momento, a taxa de letalidade é de 4.1% na população em geral e de 15% na faixa etária acima dos 70 anos.

“A curva de mortalidade por COVID-19 mostra uma diminuição consistente desde o dia 15 de abril, o que é bastante relevante”, salientou a governante, que também revelou que o número médio de contágios por cada pessoa infetada (calculado de 1 a 5 de maio) é agora de 1.04.

O número de pessoas internadas em enfermaria geral e em unidades de Cuidados Intensivos também diminuiu. Do total de casos ativos, 83.8% encontram-se em tratamento domiciliário e 3% hospitalizados, sendo que o último boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde releva que há menos 27 pessoas internadas em cuidados gerais e menos 7 em cuidados intensivos.

Na sua intervenção inicial, a Ministra da Saúde revelou também que estão a ser preparados documentos técnicos com orientações para vários setores de atividade, nomeadamente para o regresso das visitas às Estruturas Residenciais Para Idosos (ERPI), creches, transportes públicos e futebol. Antes disso, Marta Temido lembrou que já foram emitidas orientações para os procedimentos de saúde oral, estabelecimentos de restauração e bebidas e aulas presenciais dos 11.º e 12.º anos.

Portugal tem neste momento uma capacidade instalada de 713 camas de cuidados intensivos polivalentes para adultos (eram 528 antes do início da pandemia), sendo que a taxa de ocupação situa-se agora com 50%. Relembrando o esforço que foi feito para a aquisição de ventiladores, a Ministra adiantou que esta semana chegaram a Portugal mais 40 equipamentos de ventilação mecânica.