Voltar

“Não podemos desmobilizar”, alerta Graça Freitas

pulmões banner

“Depende de nós contrariar a atividade de um vírus, que é extremamente inteligente e agressivo na forma como se transmite e como pode originar doença grave. Não podemos desmobilizar”, afirmou este domingo a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, na conferência de imprensa de atualização dos dados da epidemia de COVID-19.

Em declarações aos jornalistas, a responsável explicou que este não é um problema que se resolva “numa quinzena” e também “não é uma coisa de dois ou três meses. Até haver uma vacina, esta situação vai durar meses”. Por isso, apelou, temos que “tentar baixar o trabalho e a pressão do vírus”.

O vírus SARS-CoV-2, causador da COVID-19, é “um vírus muito inteligente” e, portanto, “até que haja uma vacina, não podemos ficar descansados”, sublinhou a Diretora-Geral da Saúde, destacando que este “vai tentar replicar-se entre as pessoas” e “fazer o seu percurso”.

Dando como exemplo os mineiros presos numa mina e as crianças fechadas numa gruta, a Ministra da Saúde pediu aos portugueses “grande disciplina” e “resistência” para aguentar esta situação. “Não podemos confiar na sorte”, reforçou Marta Temido, lembrando que é estimado “um número muito elevado de infeção COVID-19” em Portugal.

À semelhança do que vem acontecendo, a Ministra da Saúde sublinhou que é necessário ter uma atenção especial com os lares de idosos: “É urgente que todos se preparem e reajam disciplinadamente perante um caso suspeito”.

Entre as medidas sugeridas, Marta Temido alertou para a necessidade de manter os cadeirões dos utentes a 1.5 metros de distância uns dos outros, de fazer turnos para as refeições e de limitar ao máximo a circulação dos utentes dentro das instituições. Por outro lado, é necessário medir a febre dos funcionários antes de entrarem ao serviço e limitar o trabalho de cada um a uma determinada zona.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado neste domingo, Portugal tem 5962 casos de COVID-19, 119 óbitos relacionados com a infeção e 43 pessoas recuperadas. Antes da conferência de imprensa, soube-se que um jovem de 14 anos infetado com o novo coronavírus morreu esta madrugada no Hospital São Sebastião, em Santa Maria da Feira.

Sobre a análise deste caso, Graça Freitas pediu “reserva e cuidado”, uma vez que “apesar de ter um teste que diz COVID, a sintomatologia pode indiciar outro tipo de patologia”. Segundo a Ministra da Saúde, este é um caso que ainda está em investigação.