Voltar

Não deve haver ajuntamentos, alerta a Diretora-Geral da Saúde

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, disse esta segunda-feira que “não se devem verificar ajuntamentos”, independentemente do uso ou não de máscaras, pois “o distanciamento físico é a principal medida para evitar a transmissão” do novo coronavírus.

“Tirando pessoas coabitantes, porque vivem na mesma casa”, não devem existir ajuntamentos, alertou a especialista em saúde pública, na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia de COVID-19.

“Devemos ter muito cuidado, desviar-nos, não irmos para sítios muito povoados. Essa é a principal medida de autocontrolo”, sublinhou a responsável, acrescentando que, se houver uma densidade populacional muito grande num determinado sítio, “é melhor não o frequentarmos”.

Graça Freitas apelou, uma vez mais, à “distância física, segura, com ou sem máscara”, uma vez que “esta é a melhor forma de nos prevenirmos contra a doença”.

No início da conferência de imprensa, o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, afirmou que os portugueses têm o dever de “respeitar escrupulosamente as regras” das autoridades de saúde. “Estamos no primeiro dia da segunda fase de desconfinamento. É natural que as pessoas tenham receios como também tiveram quando foi necessário recolhermo-nos. É um caminho que percorreremos coletivamente com consciência, responsabilidade e civismo”. Lembrando que “cada ação nossa tem impacto no outro”, destacou que “não podemos vacilar, nem relaxar, nem esmorecer”.

De acordo com o boletim epidemiológico emitido hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS), registam-se 29.209 casos confirmados de COVID-19 em Portugal, mais 173 do que no dia de ontem, o que corresponde a um aumento de 0.6%.

Por outro lado, verificam-se 628 casos (2.2%) em internamento, dos quais 105 (0.3%) em unidades de Cuidados Intensivos – menos três casos do que ontem.

A última atualização mostra um aumento de 13 óbitos em 24 horas, elevando para 1.231 o número total de mortes relacionadas com a COVID-19. Portugal contabiliza ainda mais 1.794 casos de recuperação da COVID-19, o que eleva para 6.430 o número total de pessoas recuperadas da infeção provocada pelo novo coronavírus.