Voltar

Mortalidade de acordo com o esperado para esta altura do ano

07/05/2020
banner enfermaria

Desde o dia 14 de abril que a mortalidade para todas as causas e para todas as idades está de acordo com o que é esperado para esta altura do ano, disse esta quinta-feira a Diretora-Geral da Saúde, na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia de COVID-19.

Em declarações aos jornalistas, Graça Freitas explicou que “há uma constância, estamos dentro da linha de base”. Destacando que os dados são monitorizados diariamente e estão disponíveis online, adiantou que “estamos a codificar já este ano as causas de morte em geral” para, além dos números, estudar as causas dos óbitos.

“Neste momento, o que sabemos sobre a mortalidade é que está de acordo com o esperado para esta época do ano, somando mortes por COVID-19 e por todas as outras causas”, insistiu.

Questionada sobre o aumento de casos na região de Lisboa e Vale do Tejo (400 na quarta-feira e 294 nesta quinta-feira), Graça Freitas afirmou que as autoridades de saúde estão a “procurar explicações” para “tentar perceber se corresponde a fenómenos isolados ou se há uma explicação concreta”. No entanto, assinalou, sabe-se que em Lisboa “se têm feito rastreios maciços e pode haver o efeito do rastreio”.

Atualmente, o R (número médio de contágios por cada infetado) de Lisboa “é ligeiramente superior ao do resto do país”, mas, ressalvou, “não sabemos se vai ser essa a tendência”.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal regista 26.715 casos confirmados de COVID-19, mais 533 do que na quarta-feira, o que corresponde a um aumento de 2%.

Por outro lado, registam-se 2.258 casos de recuperação da infeção provocada pelo novo coronavírus, mais 182 do que ontem, e 1.105 óbitos (mais 16). A taxa de letalidade situa-se atualmente nos 4.1% e ascende aos 15.1% nos maiores de 70 anos.

Do total de infetados, 84.1% encontram-se em tratamento domiciliário e 3.3% em internamento (874), dos quais 2.8% em enfermaria e 0.5% em unidades de Cuidados Intensivos.