Voltar

Máscaras não devem ser deitadas para o chão

29/05/2020
máscaras banner

O Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, deixou esta sexta-feira um alerta aos portugueses para que não deitem as máscaras para o chão e para que as coloquem nos caixotes de lixo domésticos.

“Constatamos frequentemente nos espaços públicos que existem muitas máscaras eliminadas”, lamentou o governante, em declarações aos jornalistas na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia de COVID-19.

“O apelo que quero fazer é que essas máscaras não fossem eliminadas para o espaço público. Que fossem eliminadas para o lixo doméstico, que é, de facto, o correto, conforme indicam as autoridades de saúde”, disse.

Questionada sobre as regras para as praias fluviais, a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, explicou que aw aplicam a estas praias “os mesmos princípios que às piscinas ao ar livre e às praias de mar”.

“Quando chegar a altura de retomar essa atividade, os cuidados a ter, as distâncias e as formas de proteger os utilizadores serão obviamente semelhantes aos que se utilizam para praias de mar e piscinas ao ar livre”, adiantou.

Graça Freitas deixou também um apelo a todos os cuidadores para que “levem as suas crianças aos centros de saúde e que não adiem a vacinação”. Os centros de saúde “têm áreas que não são COVID, são seguros”, portanto o teste do pezinho e, “com muita ênfase, a vacinação, não se devem deixar atrasar”.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal regista esta sexta-feira 31.946 casos confirmados de COVID-19, mais 350 do que ontem, ou seja, mais 1.1%.

Por outro lado, verificam-se 529 casos em internamento, dos quais 66 em unidades de Cuidados Intensivos, e 1.383 óbitos relacionados com a infeção.

Nas últimas 24 horas registam-se ainda mais 274 casos de recuperação, elevando para 18.911 o número total de recuperados (59.2% do total de infetados).