Voltar

Mais de 200 empresas querem produzir máscaras comunitárias

mulher com máscara banner

O Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, revelou esta segunda-feira que “mais de 200 empresas já mostraram vontade de avançar com a produção” de máscaras comunitárias e “algumas estão em condições de o fazer já esta semana”. Na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia de COVID-19, o governante adiantou ainda que “o Infarmed publicou hoje mesmo as especificações técnicas para a produção destas máscaras [comunitárias] pela indústria”.

Também presente na conferência de imprensa, Rui Ivo, presidente do Infarmed, assegurou que, a partir destas especificações, será possível garantir que “as máscaras produzidas e que vão ser vendidas terão as condições de proteção asseguradas”. Estas máscaras sociais, que passam a ser consideradas para a população em geral em espaços fechados, são “um terceiro tipo de equipamento de proteção” – e vão ser produzidas “com o apoio da indústria nacional”.

Segundo Rui Ivo, podem ser usados vários tipos de materiais – como algodão e poliéster – e algumas máscaras serão reutilizáveis.

De acordo com as especificações publicadas pelo Infarmed, as máscaras de nível 2 e 3, que se destinam à população em geral, não são enquadradas como dispositivos médicos ou como equipamentos de proteção individual, sendo designadas como artigos têxteis.

Estas máscaras devem obedecer a um conjunto de critérios, nomeadamente de desempenho de filtração e resistência ao desgaste. “No que respeita à reutilização destas máscaras, os estudos de desempenho deverão ser realizados após simulação do uso real e dos números de ciclos máximos de reutilização previstos”, lê-se no documento.

Os fabricantes devem dar aos utilizadores informação sobre o processo de reutilização (lavagem, secagem, conservação, manutenção) e o número de reutilizações que podem ser feitas.

As especificações indicam ainda que “os fabricantes deverão notificar a ASAE da atividade de fabrico e das máscaras fabricadas e manter à disposição das autoridades um breve dossier técnico do produto onde se incluam as características da matéria-prima, a descrição do processo de fabrico, a informação a fornecer com o produto e os relatórios dos ensaios realizados e da conformidade do produto emitidos por laboratório reconhecido, nomeadamente os laboratórios acreditados para os métodos indicados”.