Voltar

Mais 9 mortes e 553 casos. “Desconfinar não é abrandar”

08/05/2020
lavar mãos banner

Portugal regista esta sexta-feira 27.268 casos confirmados de COVID-19, mais 553 do que na quinta-feira, o que corresponde a um aumento de 2.1%. De acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), o país conta com 2.422 casos de recuperação (mais 164) e 1.114 óbitos (mais 9).

“A epidemia não acabou. Desconfinar não é abrandar. O regresso aos fluxos das nossas vidas não pode e não deve pôr em causa o caminho que foi feito até agora com grande sacrifício pessoal de todos os portugueses”, disse o Secretário de Estado, António Lacerda Sales, na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia de COVID-19.

Em declarações aos jornalistas, o governante lembrou que “o sucesso depende de todos e de cada um e da nossa capacidade de respeitar o outro e as regras que se aplicam a todos”.

Lacerda Sales adiantou que já foram realizados mais de meio milhão de testes de diagnóstico à COVID-19 em Portugal. “Durante o mês de abril foram feitos em média cerca de 11.500 testes por dia. De 1 a 6 de maio, a média foi de mais de 12.400 testes por dia, pelo que se mantém a tendência do aumento de testagem”, sublinhou.

Entretanto, informou, a DGS publicou esta sexta-feira uma informação para os migrantes e refugiados e para os profissionais que exercem funções de atendimento e apoio a esta franja da população “que está numa situação de deslocação e vulnerabilidade e muitas vezes a viver em locais coletivos”.

Esta orientação prevê a flexibilização de “alguns procedimentos para obtenção do número de utente de forma a garantir que ninguém fica sem acesso ao Serviço Nacional de Saúde” e incentiva o recurso a mediadores interculturais e de linhas telefónicas de tradução.

Questionado sobre a retoma da atividade assistencial nos hospitais, o Secretário de Estado adiantou que está a decorrer “a bom ritmo”, mas ainda não existem dados que permitem uma análise mais profunda.

Sobre a linha SNS 24, Lacerda Sales disse que no dia de ontem foram recebidas 6.748 chamadas, tendo sido atendidas 5.432, com um tempo médio de espera de 44 segundos. Já a linha de atendimento psicológico atendeu 232 chamadas, das quais 231 de utentes e as restantes de profissionais de saúde.