Voltar

Maioria dos doentes tratados a partir de casa

20/03/2020
imagem medico computador

Oitenta por cento dos doentes são tratados a partir de casa. Portugal tem 642 doentes infetados com o novo coronavírus, dos quais apenas 89 estão em situação de internamento, adiantou esta quarta-feira a Diretora-Geral da Saúde, em conferência de imprensa.

Questionada pelos jornalistas sobre a diminuição do número de pessoas hospitalizadas (de 206 para 89 em 24 horas), Graça Freitas esclareceu que, depois de uma primeira fase em que todos os doentes eram internados, as pessoas foram sendo encaminhadas para fazer convalescença em casa à medida que estabilizaram.

“Nesta fase inicial, internámos todas as pessoas em contenção máxima em quartos de isolamento com pressão negativa e, à medida que o seu quadro clínico estabilizou e estavam bem, com capacidade para ficar em casa […] foram fazer a sua convalescença para o domicílio”, explicou aos jornalistas, acrescentando que a doença segue a regra dos “80/15/5”.

“Cerca de 80% ficam em autocuidados domiciliários. Podem ficar no seu domicílio, ser acompanhadas pelo seu médico de família. 15% estará em enfermaria geral e 5% poderão precisar de cuidados intensivos”, adiantou Graça Freitas, sublinhando que o país está a seguir as boas práticas internacionais. “Muitos países já nem sequer estão a internar estes 80% das pessoas. Ficam logo à partida em cuidados de domicílio”, acrescentou.

Durante a ronda de questões, a Diretora-Geral da Saúde revelou que “estão a ser equacionadas” medidas “quer de quarentena, quer qualquer tipo de rastreio, primeiro ou secundário” para os cidadãos que entram no país. “A epidemia escala as medidas de acordo com a situação. Estamos a equacionar ambos os cenários, sendo que vamos reduzir muito as fronteiras aéreas”, adiantou, lembrando que já existem restrições no espaço aéreo e nas fronteiras terrestres.

No início da conferência de imprensa, António Sales, Secretário de Estado da Saúde, disse que o exemplo de Ovar, que declarou Estado de calamidade, “deve servir para nos deixar a todos ainda mais alerta”. “Não em pânico”, prosseguiu, “mas conscientes” da velocidade a que o vírus se propaga.

António Sales aproveitou para “dirigir uma palavra de alento” aos habitantes de Ovar e agradeceu aos portugueses “pelo elevado espírito de responsabilidade e civismo evidenciado neste momento muito difícil”. O Secretário de Estado recordou que “ainda estamos no início do caminho” e é preciso que os portugueses “não duvidem que as respostas que o Ministério da Saúde está a adotar resultam do conhecimento e da melhor evidência científica de que dispomos e que só o sacrifício individual dará origem a uma vitória coletiva”. “Somos, coletivamente, todos agentes de saúde pública”, frisou o responsável.

Relativamente ao equipamento de proteção individual para os profissionais de saúde, o Secretário de Estado reforçou o anúncio que tinha feito na terça-feira: “Todos os dias estamos a ir ao mercado. Até ao final da semana, serão distribuídos dois milhões de máscaras e mais cerca de 150 mil equipamentos de proteção individual”. E, adiantou, “a partir da próxima semana, este stock será também reforçado”.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado nesta quarta-feira (dia 18 de março), existem 642 casos confirmados de Covid-19 no país, mais 194 do que na terça-feira. Dos 89 casos de internamento, 20 estão em cuidados intensivos. Neste momento, o país contabiliza duas mortes e três casos de recuperação da doença.