Voltar

Linhas de apoio a vítimas de violência doméstica receberam 302 pedidos

29/04/2020
trabalhar em casa banner

As linhas de apoio a vítimas de violência doméstica durante a pandemia de COVID-19 receberam 302 pedidos de ajuda desde o dia 19 de março, adiantou esta quarta-feira o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia.

Desde o início de março que a Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, em parceira com o Ministério da saúde, pôs em marcha “um plano de contingência de prevenção e de combate à violência doméstica no contexto de COVID-19”.

Entre as medidas, o governante salientou a abertura de mais duas casas de abrigo, com um total de 100 vagas. De 6 a 27 de abril estas estruturas acolheram 50 vítimas de violência doméstica, revelou.

Por outro lado, destacou António Sales, foi criada uma linha- com o número 3060 – que “presta informações, apoia, encaminha as vítimas e, em caso de elevado perigo, aciona as forças de segurança para a verificação imediata das situações no local”. Este serviço entrou em funcionamento no dia 27 de março e já recebeu 123 pedidos de apoio.

Segundo o governante, “em Portugal, ao contrário de outros países europeus, não se regista um aumento de participações por violência doméstica”. Face ao mesmo período do ano passado, “as forças de segurança, GNR e PSP, registaram um decréscimo das participações em 39%, o que nos compromete ainda mais na urgência de dar outras respostas”.

De acordo com o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, Portugal regista 24.505 casos confirmados de COVID-19 (mais 183 do que no dia de ontem), 973 óbitos e 1470 casos de recuperação da doença.