Voltar

Limpeza e desinfeção de objetos e superfícies continua a ser recomendada

18/05/2020
cama hospitalar banner

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse recentemente que será mais difícil do que se pensava a transmissão do vírus de superfícies e objetos (maçanetas de portas, por exemplo) para o trato respiratório, mas o estudo “não é conclusivo”, pelo que continua a ser recomendada a sua limpeza e desinfeção.

O alerta foi deixado esta segunda-feira pela Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia de COVID-19.

“Não é um estudo conclusivo, não é um assunto encerrado”, advertiu a especialista em saúde pública, frisando que “a OMS continua a recomendar como essencial a desinfeção e a limpeza dessas superfícies”.

“Na dúvida – porque há outros vírus cuja história conhecemos melhor e que se transmitem por essa via – é melhor continuarmos a ter precauções em relação aos objetos e às superfícies”, afirmou a responsável, quando questionada sobre os resultados do estudo que agora foram divulgados.

Aplicando-se o princípio da precaução, as autoridades de saúde “não deixam de recomendar a descontaminação, a desinfeção e a limpeza de superfícies e objetos”, e continuam a destacar a importância de não levar as mãos à boca, ao nariz e aos olhos, antes de serem lavadas.

De acordo com o boletim epidemiológico emitido hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS), registam-se 29.209 casos confirmados de COVID-19 em Portugal, mais 173 do que no dia de ontem, o que corresponde a um aumento de 0.6%.

Por outro lado, verificam-se 628 casos (2.2%) em internamento, dos quais 105 (0.3%) em unidades de Cuidados Intensivos – menos três casos do que ontem.

A última atualização mostra um aumento de 13 óbitos em 24 horas, elevando para 1.231 o número total de mortes relacionadas com a COVID-19. Portugal contabiliza ainda mais 1.794 casos de recuperação da COVID-19, o que eleva para 6.430 o número total de pessoas recuperadas da infeção provocada pelo novo coronavírus.