Voltar

INEM já fez mil transportes relacionados com a COVID-19

15/04/2020
banner enfermaria

O INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica) realizou, desde o dia 1 de março, mais de 1.000 transportes no âmbito da pandemia de COVID-19 e 3.200 colheitas para análises em domicílios, lares e junto das forças de segurança.

Os números foram divulgados esta quarta-feira pelo Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia. Depois de deixar um agradecimento a todos os profissionais envolvidos no combate ao novo coronavírus, como bombeiros, forças de segurança e proteção civil, o governante destacou o INEM, que “que tem tido papel preponderante nesta pandemia”.

À semelhança do que aconteceu na terça-feira, António Sales voltou a apelar à confiança dos portugueses nos cuidados de saúde: “É importante que as pessoas percebam que podem continuar a contar com o INEM e com os seus profissionais para além da COVID. Os cidadãos podem e devem ligar o 112 em caso de emergência ou de um agravamento do seu estado de saúde”.

Antes da pandemia de COVID-19, revelou, o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) recebia, em média, 3.800 chamadas por dia, mas atualmente recebe menos 500. “O que resulta naturalmente do confinamento, mas não pode resultar do receio dos cidadãos em recorrerem ao Serviço Nacional de Saúde em caso de urgência. O SNS continua a garantir as respostas a quem dele precisa”, assegurou.

A mesma mensagem foi transmitida por Luís Meira, presidente do INEM, que também esteve presente na conferência de imprensa: “É importante que as pessoas que têm necessidade de assistência médica não adiem o contacto com o SNS 24 ou, nos casos mais graves, com o 112 […] É importantíssimo para não virmos a ter problemas adicionais”.

Sobre os profissionais de saúde do INEM infetados e respetivos familiares, o responsável destacou que todos os que testaram positivo para a COVID-19 “ou já recuperaram ou têm sintomatologia que não é preocupante”.

De acordo com o último boletim epidemiológico publicado pela DGS, Portugal regista 599 mortos associados à pandemia e 18.091 infetados.