Voltar

Hospitais conseguem dar resposta à pandemia de COVID-19

covid banner

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, explicou esta segunda-feira que “não houve necessidade de expandir a capacidade instalada [nos hospitais]”, pois esta “tem sido suficiente para dar resposta” à pandemia de COVID-19.

Na conferência de imprensa diária sobre o novo coronavírus, Graça Freitas adiantou que “os dados que temos indicam que ainda não foi atingido o máximo do nosso potencial, o que reflete a evolução da epidemia”. Nos últimos dias, o crescimento do número de novos casos confirmados não tem sido muito acentuado.

De acordo com o último boletim epidemiológico lançado pela DGS, Portugal tem 531 mortos associados à COVID-19 e 16.934 infetados (mais 349), o que representa um aumento de 2.1% face aos números divulgados no domingo.

Questionada sobre o retrato socioeconómico da população infetada, a Diretora-Geral da Saúde esclareceu que essas variáveis não são recolhidas habitualmente. É recolhida a profissão e, adiantou, sabe-se que “a maior parte das pessoas são reformadas”.

A informação epidemiológica que é recolhida neste momento traduz “ tendências, padrões, as grandes variáveis”, como a idade, o sexo e a região. No entanto, ressalvou Graça Freitas, isso “não nos dispensa de fazer estudos muito mais aprofundados sobretudo nas fases de inter-ondas, se houver ondas, e nas fases pós- epidémicas”. Um dos objetivos, contou, é estudar a evolução dos doentes, desde que entram até ao momento da alta.

A Ministra da Saúde, Marta Temido, revelou que, de acordo com os dados mais recentes, registaram-se 40 saídas de doentes das unidades de Cuidados Intensivos, maioritariamente para enfermarias gerais.

Do total de 16.934 pessoas infetadas, 88.2% encontram-se no domicílio e cerca de 7% internadas, das quais 5.9% em enfermaria e 1.1% em Cuidados Intensivos.

Desde o dia 1 de março, Portugal realizou 179.000 testes de diagnóstico à COVID-19, dos quais 45% foram realizados durante o mês de março e 55% entre 1 e 12 de abril. “Durante os primeiros dias de abril já realizámos mais testes do que durante o mês de março”, destacou a Ministra, acrescentando que isto reflete “a estratégia de testar mais” adotada no país.