Voltar

Guia de equivalências ajuda à elaboração de planos de contingência nos diferentes setores

11/06/2020
vírus covid banner

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, esclareceu esta quinta-feira que o guia de recomendações por tema e setor de atividade publicado hoje funciona como uma “tabela de equivalências”, que servirá de base para os responsáveis pelos diferentes estabelecimentos elaborarem os seus planos de contingência em contexto de pandemia da COVID-19.

“Uma pessoa que tenha um determinado tipo de estabelecimento para o qual não há uma orientação específica, consegue saber quais são as orientações que se adaptam ao seu setor de atividade e ir ver a essas orientações aquilo que pode alimentar o seu plano de contingência”, explicou a especialista em saúde pública.

Ressalvando que a Direção-Geral da Saúde não consegue “fazer orientações e normas para todos os setores de atividade”, Graça Freitas adiantou, no entanto, que “se ainda subsistir alguma dúvida, poderá colocar-se à DGS, que responderá”.

Este guia, referiu, permite “a todas as pessoas retomarem a sua atividade com planos de contingência bem elaborados, tendo um quadro conceptual que são as orientações da DGS”.

Sobre a norma publicada pela DGS para a retoma das cirurgias não urgentes, Graça Freitas explicou que o objetivo “é que fiquem definidos os parâmetros para que a retoma se faça de forma ordenada, com regras, e que todos os estabelecimentos de saúde conheçam essas regras e ajam em conformidade”.

A norma uniformiza assim os procedimentos, determinando, por exemplo, quais os doentes com indicação para serem testados e a ordem de chamada. “Facilitará e tornará mais equitativa a nível nacional esta retoma”, sublinhou.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado esta quinta-feira pela Direção-Geral da Saúde, Portugal regista hoje mais 310 casos confirmados de COVID-19, o que representa um aumento de 0.9% face ao dia de ontem, elevando para 35.920 o número total de casos.

Por outro lado, contabilizam-se 22.002 doentes recuperados da COVID-19, o que significa um aumento de 260, ou seja, 1.2%.

Neste momento, Portugal tem 415 pessoas internadas com COVID-19, menos 0.5% do que no dia de ontem, e 70 em unidades de Cuidados Intensivos (o mesmo número de ontem).

Nas últimas 24 horas ocorreram mais 7 óbitos relacionados com a pandemia, o que eleva para 1.504 o número total de mortes, a que corresponde uma taxa de letalidade de 4.2%, que sobe para os 17.5% na população com mais de 70 anos.