Voltar

Governo anuncia reforço de profissionais de saúde para Lisboa e Vale do Tejo

22/06/2020
hospital banner

O Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, anunciou esta segunda-feira que “houve um reforço de profissionais de saúde nas unidades de saúde da Amadora, Sintra, Loures e Odivelas, que já duplicaram a capacidade de realização de inquéritos epidemiológicos” para identificar, isolar e quebrar cadeias de transmissão da COVID-19.

Em declarações aos jornalistas na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia, o governante esclareceu que “são mais cerca de 20 recursos humanos alocados a estes serviços, que resultam da mobilização de profissionais dos ACES, da Escola Nacional de Saúde Pública, da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, da Cruz Vermelha Portuguesa”, entre outras entidades.

Segundo o responsável, muitos destes profissionais vão começar esta semana, “prevendo-se assim também assegurar a mesma capacidade de resposta durante o período de férias”.

“A região de saúde de Lisboa e Vale do Tejo continua a concentrar a nossa atenção e o nosso esforço”, lembrou Lacerda Sales.

Na sua intervenção inicial, o Secretário de Estado comparou os focos da COVID-19 aos incêndios: “Tal como nos focos de incêndios é preciso acudir com os meios disponíveis para evitar que a situação se alastre”.

O governante aproveitou ainda para fazer uma atualização do estado de ocupação das unidades de Cuidados Intensivos do país. A ocupação é, atualmente, de 63%, dos quais 21% doentes com COVID-19. “Esta capacidade é expansiva”, sublinhou, destacando que, além da capacidade de resposta do SNS, cabe à sociedade travar a propagação da doença.

“O bem-estar coletivo continua a depender da responsabilidade individual. Desconfinar não é relaxar nem desresponsabilizar. Temos a obrigação de continuar a cuidar uns dos outros. Os mais novos têm a obrigação de proteger os mais velhos e os mais frágeis. Ainda não passou. Ainda não temos vacina e continua a haver o risco para a saúde”, alertou António Sales.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado esta segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal contabiliza 39.392 casos confirmados de COVID-19, mais 259 do que ontem, o que corresponde a um aumento de 0.7%.

Nas últimas 24 horas, foram dadas como recuperadas da COVID-19 mais 172 pessoas, pelo que o país regista agora 25.548 casos de recuperação, que correspondem a 64.9% do total de infetados.

Do total de 12.310 casos ativos de doença, 96.6% encontram-se a recuperar no domicílio e 3.4% estão internados, dos quais 0.5% em unidades de Cuidados Intensivos e 2.9% em enfermaria.

A última atualização indica que o país regista 1.534 óbitos relacionados com a pandemia, o que corresponde a uma taxa de letalidade de 3.9%, que sobe para 16.8% na população com mais de 70 anos.