Voltar

Férias em tempo de pandemia exigem novas regras

05/06/2020
máscaras

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, apelou hoje ao cumprimento das regras de proteção contra a COVID-19, como o distanciamento físico, na época de feriados que se aproxima e durante as férias.

“Este ano vamos poder fazer férias, mas de forma diferente. Temos que manter o nosso distanciamento físico em relação a outras pessoas que não sejam aquelas com quem habitualmente convivemos”, disse, ressalvando que quem faz parte do mesmo agregado pode manter-se junto.

Contudo, destacou, em relação a outras pessoas, amigos, familiares, conhecidos e aqueles que nos vão prestar serviços nos sítios para onde formos de férias devem manter-se “medidas de distância física, utilizar máscara quando for necessário, não partilhar objetos, manter a higiene frequente das mãos, higienizar as superfícies”.

Graça Freitas afirmou que “serão férias e fins de semana diferentes, com outras regras, em que nos podemos descontrair, divertir, sair do nosso sítio habitual, mas com cuidado”.

Apelando a que não haja uma descontração excessiva, a Diretora-Geral da Saúde lembrou que “o vírus não desapareceu”. “Queremos sair da epidemia o mais depressa possível. Vamos fazer um último esforço de contenção e de um comportamento afetivo à mesma, divertido à mesma, mas com regra da distância física”, referiu.

A lógica, explicou, “é que as pessoas não se juntem se não pertencem ao mesmo agregado familiar. Mais do que sair para Algarve, Alentejo ou qualquer zona do país, é sair com regras”. E, lembrou, “quem está doente, em isolamento profilático, tem teste positivo ou quem trabalha ou mora num sítio onde há surtos ativos neste momento, deve abster-se de sair do seu domicílio e cumprir as orientações das autoridades de saúde. Não sair de casa”.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal regista esta sexta-feira 33.969 casos confirmados de COVID-19, mais 377 do que no dia de ontem, o que corresponde a um aumento de 1.1%.

Por outro lado, registam-se 1.465 mortes relacionadas com a covid-19, mais 10 do que na quinta-feira, ou seja, mais 0.7%.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo (12.473), onde se tem registado maior número de surtos, há mais 336 casos de infeção (+2,8%).

Segundo a última atualização, existem 475 doentes internados em hospitais, mais 30 do que na quinta-feira, dos quais 64 em Unidades de Cuidados Intensivos (mais 4).