COVID-19 https://covid19.min-saude.pt Página Inicial Thu, 21 Jan 2021 18:02:15 +0000 pt-PT hourly 1 https://covid19.min-saude.pt/wp-content/uploads/2020/03/favicon_dgs.svg COVID-19 https://covid19.min-saude.pt 32 32 Novas medidas de contenção: Governo anuncia encerramento das atividades letivas https://covid19.min-saude.pt/covid-19-novas-medidas-de-contencaogoverno-anuncia-encerramento-das-atividades-letivas/ Thu, 21 Jan 2021 17:42:29 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=9139964 O Primeiro-Ministro, António Costa, falou ao país depois da reunião do Conselho de Ministros, que decorreu esta quinta-feira de manhã, numa reunião de emergência, e anunciou o encerramento de todos os estabelecimentos de ensino nos próximos 15 dias, a partir de sexta-feira 22 de janeiro. Esta interrupção letiva será, no entanto, “devidamente compensada no calendário escolar” num outro período de férias, a definir pelo Ministro da Educação.

Segundo António Costa, irá manter-se o apoio alimentar a todas as crianças que beneficiam de apoio social escolar, bem como todas as atividades relativas à intervenção precoce e necessidades educativas especiais. Este reforço de medidas está relacionado com novos dados sobre a variante britânica do novo coronavírus, tendo-se verificado um crescimento muito acentuado da mesma.

Além dos estabelecimentos escolares o Primeiro-Ministro anunciou o encerramento das lojas do cidadão, mantendo-se apenas o atendimento por marcação nos restantes serviços públicos e a suspensão dos prazos de todos os processos não urgentes nos tribunais.

]]>
Reforço das medidas do confinamento https://covid19.min-saude.pt/reforco-das-medidas-do-confinamento/ Mon, 18 Jan 2021 14:16:00 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=9051930 O Primeiro-Ministro, António Costa, anunciou esta segunda-feira medidas de confinamento mais restritivas, definidas em reunião extraordinária do Conselho de Ministros.

Segundo o governante, as universidades séniores e os centros de dia e de convívio vão ficar encerradas no âmbito das novas medidas de confinamento.

No final da reunião do Conselho de Ministros extraordinário realizada hoje para rever as restrições para controlar a pandemia, António Costa adiantou também que a proibição de circulação entre concelhos vai voltar a ser aplicada aos fins de semana no território continental.

O Governo considerou ser necessário “clarificar normas que têm sido objeto de abuso e alargar o quadro de restrições”, devido ao nível de circulação da população verificado nos últimos dias.

Adicionalmente, o Governo reajustou os horários dos estabelecimentos cuja atividade não está suspensa, determinando que podem funcionar até às 20.00 durante a semana e até às 13.00 ao fim de semana, exceto supermercados que podem funcionar até às 17.00.

Considerando que houve “abusos” no cumprimento das medidas aprovadas no passado dia 13, o primeiro-ministro adiantou que as regras hoje delineadas “vão ser acompanhadas pelo reforço da fiscalização” por parte das autoridades e das forças de segurança, a quem foi dada indicação de maior visibilidade na via pública.

No passado dia 13, o Conselho de Ministros aprovou novas medidas para controlar a pandemia de COVID-19, entre as quais o dever de recolhimento domiciliário e restrições à circulação da população, obrigatoriedade do teletrabalho e encerramento do comércio, com exceção dos estabelecimentos de bens e serviços essenciais.

António Costa lembrou ainda as medidas de proteção da COVID-19, como ficar em casa, limitar os contactos ao agregado familiar, reduzir as deslocações ao essencial, usar máscara de proteção, manter o distanciamento físico, lavar as mãos e cumprir etiqueta respiratória.

]]>
INSA e Unilabs criam ferramenta para identificar nova variante https://covid19.min-saude.pt/insa-e-unilabs-criam-ferramenta-para-identificar-nova-variante/ Mon, 18 Jan 2021 14:15:00 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=9051927 O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) e a Unilabs desenvolveram uma ferramenta para monitorizar a prevalência e a distribuição geográfica da variante detetada em Inglaterra do SARS-CoV-2 em Portugal, permitindo uma melhor atuação das autoridades de saúde pública.

Para tal, foi criada uma ferramenta em tempo real que permite sinalizar casos potenciais associados a esta variante, avançam as duas entidades em conjunto.

Desenvolvida pelo INSA, através do Núcleo de Bioinformática do seu Departamento de Doenças Infecciosas, e pela Unilabs Portugal, esta metodologia “disponibiliza, rapidamente, às autoridades de saúde pública no terreno uma resposta quanto à evolução da prevalência em Portugal da variante genética do SARS-CoV-2 conhecida como “variante do Reino Unido” (VUI-202012/01)”, refere um comunicado divulgado.

Desde o início da pandemia, o INSA tem vindo monitorizar, com o apoio dos laboratórios públicos, privados e da academia, a dinâmica de mutações do SARS-CoV-2, através da sequenciação genética regular, metodologicamente preparada, de forma a perceber, a cada momento, a distribuição e evolução do vírus em território nacional e, deste modo, apoiar as decisões em saúde pública.

Fonte: Serviço Nacional de Saúde – Covid-19 | Variante do Reino Unido

]]>
INSA divulga resultados do estudo “Saúde Mental em Tempos de Pandemia” https://covid19.min-saude.pt/insa-divulga-resultados-do-estudo-saude-mental-em-tempos-de-pandemia/ Mon, 18 Jan 2021 14:15:00 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=9051928 Os resultados do estudo “Saúde Mental em Tempos de Pandemia (SM-COVID19)” indicam que cerca de 25% dos participantes apresenta sintomas moderados a graves de ansiedade, depressão e stress pós-traumático.

Coordenado pelo Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Não Transmissíveis do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, em colaboração com o Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e com a Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental, o estudo SM-COVID19 visou avaliar o impacto da pandemia COVID-19 na saúde mental e no bem-estar da população em geral e dos profissionais de saúde, tendo em conta dimensões como ansiedade, depressão, stress pós-traumático, burnout e resiliência, entre outras.

De acordo com resultados deste trabalho, na população em geral, são sobretudo os jovens adultos e as mulheres que apresentam sintomas de ansiedade e de depressão moderada a grave. Já de entre os profissionais de saúde e também como esperado, são sobretudo aqueles que estão a tratar doentes com Covid-19 que apresentam ansiedade moderada a grave (42%), sendo que é ainda neste grupo de indivíduos que os níveis de burnout (exaustão física e emocional) são mais elevados (43%).

No que diz respeito à expectativa face ao futuro após a pandemia, a maior parte dos indivíduos revela preocupação em não saber quando haverá um tratamento ou uma vacina eficaz (89%) e com a possibilidade de o país entrar numa crise económica muito grave (96%). Os participantes referiram ainda preocupação com o facto de não conseguirem recuperar o rendimento que tinham antes da pandemia (75%) e com o facto da sua forma de viver não voltar a ser a mesma que era antes (79%).

Apesar disso, mais de 40% do total de respondentes ao estudo SM-COVID19 sente-se otimista em relação ao futuro.

Fonte: Serviço Nacional de Saúde – Estudo SM-COVID19

]]>
Estratégia alimentar e nutricional no contexto da COVID-19 publicada em revista científica internacional https://covid19.min-saude.pt/estrategia-alimentar-e-nutricional-no-contexto-da-covid-19-publicada-em-revista-cientifica-internacional/ Fri, 15 Jan 2021 10:55:34 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=8944865 O artigo “The national food and nutrition strategy for the Portuguese COVID-19 response”, onde se descreve de forma breve a estratégia alimentar e nutricional portuguesa desenvolvida pelo Programa Nacional de Promoção da Alimentação Saudável da Direcção-Geral da Saúde (DGS), foi publicado esta quinta-feira no European Journal of Clinical Nutrition.

Desde o início da pandemia da COVID-19 que o PNPAS tem vindo a produzir um conjunto de orientações pertinentes e pragmáticas, juntamente com materiais informativos disponibilizados ao longo da resposta concertada de Portugal à pandemia.

A alimentação é cada vez mais reconhecida como um aspeto central no contexto da COVID-19, sendo que a obesidade é hoje um dos principais fatores de risco para a gravidade na infeção por SARS-CoV-2. E a par da obesidade, a COVID-19 também afeta com maior gravidade pessoas com outras doenças crónicas, como a diabetes e a hipertensão arterial. Em todas estas patologias, a alimentação saudável será determinante para um melhor controlo metabólico destes doentes. Por outro lado, sabemos também que a otimização do estado nutricional nos doentes com COVID-19 pode ser de extrema importância para a sua recuperação e para a diminuição do risco de complicações associadas. Assim, os cuidados de nutrição, devem ser uma prioridade, tantos nos cuidados de saúde primários como nos cuidados hospitalares, em particular nas unidades que tratam de doentes com COVID-19, desde os doentes internados em enfermaria às unidades de cuidados intensivos.

O confinamento que hoje se inicia em Portugal volta a colocar grandes desafios para a adoção de uma alimentação saudável na população portuguesa, em particular das famílias mais vulneráveis do ponto de vista socioeconómico.

São estes desafios e as suas respetivas respostas que se encontram descritas no artigo que foi publicado.

Pode consultar o artigo: The national food and nutrition strategy for the Portuguese COVID-19 response

]]>
Governo anuncia novas medidas para controlar a pandemia https://covid19.min-saude.pt/governo-anuncia-novas-medidas-para-controlar-a-pandemia/ Thu, 14 Jan 2021 17:11:05 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=8930124 Após reunião do Conselho de Ministros, o Governo apresentou esta quarta-feira um conjunto de medidas para controlar a pandemia de COVID-19, entre as quais o dever de recolhimento domiciliário, que entram em vigor às 00:00 de sexta-feira.

Portugal vai “regressar ao dever de recolhimento domiciliário” tal como em março e em abril, alertando que este é simultaneamente o momento “mais perigoso, mas também um momento de maior esperança”, afirmou o Primeiro-Ministro em conferência de imprensa.

As escolas vão manter-se abertas “em pleno funcionamento” como aconteceu até agora. “Vamos manter a escola em funcionamento e esta é a única, nova e relevante exceção ”, disse o primeiro-ministro, António Costa, no final da reunião do Conselho de Ministros, durante a qual foram decididas novas medidas de confinamento no âmbito da pandemia de covid-19.

Principais medidas:

  • Confinamento obrigatório (pessoas com Covid-19 ou em vigilância ativa);
  • Dever geral de permanecer em casa;
  • Teletrabalho obrigatório;
  • Comércio e serviços encerrados (salvo estabelecimentos autorizados);
  • Restaurantes e cafés: só take-away ou entregas ao domicílio;
  • Serviços Públicos: mediante marcação prévia;
  • Educação: estabelecimentos de ensino em regime presencial;
  • Cultura: estabelecimentos culturais encerrados;
  • Desporto: exercício ao ar livre, ginásios e outros recintos encerrados.

Fonte: Serviço Nacional de Saúde Medidas para controlar a pandemia

]]>
Transportados mais de 4 mil casos suspeitos de 4 a 10 de janeiro https://covid19.min-saude.pt/transportados-mais-de-4-mil-casos-suspeitos-de-4-a-10-de-janeiro/ Thu, 14 Jan 2021 17:10:00 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=8930123 O Instituto Nacional de Emergência Médica divulgou que, na semana de 4 a 10 de janeiro, foram realizados 4.533 transportes de utentes com suspeita de infeção com o novo coronavírus, Sars-Cov-2 (causador da doença COVID-19), mais 802 transportes que a semana anterior.

Os meios alocados à Delegação Regional do Sul transportaram 1.804 utentes e os da Delegação Regional do Norte 1.580. Na zona Centro, foram transportados 918 utentes e na região da Delegação Regional do Sul – Algarve, 237.

Segundo o INEM, as quatros Equipas de Enfermagem de Intervenção Primária que criou para ajudar na resposta coletiva à pandemia de COVID-19 registaram igualmente um aumento nas colheitas realizadas. Na segunda semana de janeiro, foram realizadas 815 colheitas, mais 639 colheitas que na semana anterior.

Informa, ainda, que atividade das quatro equipas de recolha de amostras, uma por cada Delegação Regional, que entraram em atividade em 10 de março, já efetuaram 35.316 colheitas de material biológico para análise.

O INEM recorda que a definição de caso suspeito de COVID-19 é, entre outros e de acordo com as normas em vigor¸ qualquer situação de falta de ar (dispneia) triada pelos Centros de Orientação de Doentes Urgentes.

Fonte: Serviço Nacional de Saúde – COVID-19 | Atividade INEM

]]>
Mais de 5.000 recuperados e de 10.500 casos confirmados https://covid19.min-saude.pt/mais-de-5-000-recuperados-e-de-10-500-casos-confirmados/ Thu, 14 Jan 2021 17:09:31 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=8930120 Portugal registou nas últimas 24 horas mais 5.063 casos de recuperação da COVID-19, o que eleva para 387.607 o número total de recuperados desde o início da pandemia.

Por outro lado, o país regista agora um total de 517.806 casos de COVID-19, mais 10.698 do que na quarta-feira. Do total de novos casos, 3.461 foram notificados na região Norte, 2.128 no Centro, 4.071 em Lisboa e Vale do Tejo, 520 no Alentejo e 400 no Algarve.

A última atualização indica que ocorreram mais 148 óbitos relacionados com a pandemia, que já provocou um total de 8.384 mortes.

Com estes números, Portugal apresenta atualmente 121.815 casos ativos de doença, mais 5.487 do que no dia de ontem.

O boletim diário indica que estão em internamento 4.368 pessoas com COVID-19, mais 128 do que ontem, das quais 611 em unidades de Cuidados Intensivos (mais 15).

]]>
Válter Fonseca: “Se chegarem mais vacinas, será possível vacinar mais idosos em simultâneo” https://covid19.min-saude.pt/valter-fonseca-se-chegarem-mais-vacinas-sera-possivel-vacinar-mais-idosos-em-simultaneo/ Thu, 14 Jan 2021 17:09:04 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=8930126 O diretor do Departamento de Qualidade na Saúde na Direção-Geral da Saúde e coordenador da Comissão Técnica de Vacinação contra a COVID-19, Válter Fonseca, concedeu uma entrevista ao Diário de Notícias, na qual explicou que os maiores de 65 anos, sem comorbilidades associadas ou em lares, serão vacinados mais cedo se chegarem mais vacinas do que as que estão a chegar agora.

“O plano [de vacinação contra a COVID-19] é adaptável. Vamos imaginar que chegam muito mais doses do que as que estão a chegar atualmente, então é possível que se possa vacinar o maior número de pessoas com critérios mais alargados e em simultâneo. Ninguém ficará para trás, ninguém deixará de ser vacinado”, adiantou.

Em declarações ao DN, Válter Fonseca explicou que “a Comissão Técnica de Vacinação contra a Covid-19 tem demonstrado desde o início abertura para discutir os critérios que foram definidos no final de novembro, numa altura em que nenhuma das vacinas que hoje temos estava aprovada”. E reforçou: “o plano é dinâmico e adaptável.”

Saiba mais: Diário de Notícias – Exclusivo Válter Fonseca: “Se chegarem mais vacinas, será possível vacinar mais idosos em simultâneo”

]]>
Portugal apresenta “maior homogeneidade e agravamento da incidência” https://covid19.min-saude.pt/portugal-apresenta-maior-homogeneidade-e-agravamento-da-incidencia/ Tue, 12 Jan 2021 18:40:27 +0000 https://covid19.min-saude.pt/?p=8879185 O Diretor de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde (DGS), André Peralta Santos, disse esta terça-feira que a situação atual no país é de “maior homogeneidade e de agravamento da incidência”, quando comparada com o pico da segunda fase.

Na sessão de apresentação sobre a “Situação epidemiológica da COVID-19 em Portugal”, na reunião do Infarmed, André Peralta fez um ponto de situação da pandemia em Portugal.

Segundo o diretor da DSIA, a maioria do território tem agora uma incidência superior a 480 casos de COVID-19 por 100.000 habitantes.

Na última reunião do Infarmed, lembrou, o país apresentava uma “uma situação epidemiológica com uma tendência decrescente”, que se manteve até muito perto do Natal.
Nesta fase, prosseguiu, o que se observa é “um agravamento generalizado da situação epidemiológica, com áreas com incidência extremamente elevada superior a 960 casos por 100 mil habitantes dispersas um pouco por todo por todo o território, e com grande parte do território com incidências superiores a 480 casos por 100 mil habitantes”.

Em comparação com “o pico da segunda fase da epidemia é uma situação de maior homogeneidade e de agravamento da incidência”. Várias áreas do país mais do que duplicaram a incidência neste período em análise, muitas com um aumento muito acentuado, sendo “raras as áreas do país onde houve um decréscimo da incidência”.

]]>