Voltar

Portugal envia voo humanitário para São Tomé e Príncipe

15/05/2020
vírus covid banner

Partiu esta sexta-feira (dia 15 de maio) do aeroporto Humberto Delgado um voo humanitário com destino a São Tomé e Príncipe, que leva uma equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e equipamentos médicos e de proteção para ajudar no combate à pandemia de COVID-19. No regresso a Portugal, o voo permitirá o repatriamento de cidadãos europeus.

Impulsionada por Portugal, esta operação humanitária fará chegar mais de 15 toneladas de material médico-hospitalar a São Tomé e Príncipe, incluindo um laboratório da Organização Mundial de Saúde (OMS), de forma a dotar aquele país dos meios que permitirão realizar localmente testes de deteção do vírus responsável pela atual pandemia.

Os equipamentos a fornecer incluem material de proteção individual, nomeadamente máscaras, luvas, óculos, viseiras, mangas, sapatos e fatos, bem como medicamentos, gel, álcool e todo o material necessário para colheita e análise dos testes ao novo coronavírus.

Da operação faz parte uma equipa do INEM, composta por uma médica intensivista, dois enfermeiros e um especialista em logística, ativada pela OMS.

Esta operação resulta de uma coordenação estreita entre o Camões, IP, a Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, o Gabinete do Sr. Ministro dos Negócios Estrangeiros e a Comissão Europeia (DG ECHO).

Portugal é, assim, o segundo Estado-membro da União Europeia a montar uma operação deste tipo (após a França, com a operação para Bangui-RCA), no quadro do mecanismo Ponte aérea humanitária da União Europeia, inteiramente financiado pela Comissão Europeia e criado para fazer chegar material e equipas especializadas no combate à COVID-19 aos países mais vulneráveis, sob o espírito solidário da Equipa Europa (Team Europe).

Esta operação integra uma abordagem compreensiva e mais alargada de apoio aos países prioritários da Cooperação Portuguesa, em linha com aquela que é a Estratégia Operacional de Ação Humanitária e de Emergência do Estado Português.

O apoio nacional passa por contribuições para programas e projetos de agências das Nações Unidas a operar nos PALOP e em Timor Leste, o reforço de capacidades das instituições públicas locais na 1ª linha do combate à COVID-19, em articulação com os parceiros nacionais e internacionais, tendo em vista a coordenação de esforços à pandemia e assegurar intervenções eficazes e complementares.