Voltar

Diretora-Geral da Saúde recorda medidas que minimizam risco de transmissão

lavagem das mãos banner

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, disse esta terça-feira que, apesar de todas as incertezas sobre o novo coronavírus, sabe-se quais são as formas de transmissão, pelo que existe um conjunto de medidas que, “não abolindo completamente o risco, minimizam o risco de transmitirmos a doença a outras pessoas e de nós próprios a contrairmos”.

Em declarações aos jornalistas na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia de COVID-19, a especialista em saúde pública explicou que o vírus pode ter transmissão direta – de pessoa para pessoa – através de gotículas ou indireta, através da contaminação de superfícies e objetos com gotículas no interior das quais se encontram vírus.

Por isso, disse Graça Freitas, o distanciamento físico é uma das formas de prevenção da transmissão direta entre duas pessoas. “A este distanciamento ainda recomendamos [como complemento] em algumas situações, como locais fechados quando não é possível manter o distanciamento, uma barreira, que se chama máscara”, acrescentou.

Adicionalmente, “temos as medidas de higiene respiratória, ou seja, não tossir, não falar, não espirrar diretamente para a cara de outra pessoa”. Existe também uma “coisa importantíssima”, lembrou, que é a higiene das mãos. “É sempre bom quando chegamos a um sítio e quando saímos lavar as mãos. A higiene das mãos é essencial”, sublinhou.

A responsável recordou, ainda, uma quinta medida, que “é mesmo eficaz – a higiene das superfícies e dos objetos”. “Este conjunto de cinco medidas tem eficácia comprovada, de preferência utilizando todas sempre que for possível. Uma única pode não ser suficiente”, alertou a Diretora-Geral da Saúde.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal tem 27.913 casos confirmados de COVID-19, mais 234 do que na segunda-feira, o que equivale a um aumento de 0.8%.

Nas últimas 24 horas registaram-se mais 464 casos de recuperação da COVID-19, o que eleva o número de recuperados para 3.013, que correspondem a 10.8% dos casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus.