Voltar

Diretora-Geral da Saúde apela à confiança no regresso às aulas

família em casa banner

“O regresso às aulas está a ser ponderado para garantir a segurança de todos”, assegurou esta quarta-feira a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, apelando a que a comunidade escolar volte “às aulas com toda a confiança”.
A responsável falava aos jornalistas na conferência de imprensa diária sobre a COVID-19, onde foi questionada sobre o receio que alguns pais dos alunos do 11º e 12º ano têm no regresso dos seus educandos à escola.

“O risco de voltar para a escola é o risco de viver em comunidade. Não há motivo para que os pais não deixem os seus filhos irem às escolas”, afirmou a especialista em saúde pública, destacando que “não há risco zero em nada, na nossa vida social, na nossa vida de relação, na nossa vida laboral”.

No entanto, ressalvou, está a ser elaborado “um conjunto de regras para minimizar o risco”. Estas regras, prosseguiu, dependem de vários fatores, nomeadamente “das condições do edificado, dos equipamentos, da organização das aulas, do contacto que vai haver ou não entre os alunos”.

Por outro lado, existe um grupo de medidas que tem a ver com o comportamento dos alunos. “Um jovem tanto pode ter um comportamento seguro fora do ambiente escolar como ter um comportamento seguro dentro da escola. Vamos recomendar que o regresso à escola seja feito de forma ordeira e respeitando regras”, disse aos jornalistas.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde, Portugal regista esta quarta-feira 26.182 casos confirmados de COVID-19, mais 480 do que na terça-feira, o que representa um aumento de 1.9%.

Neste momento, há 838 casos em internamento, dos quais 136 em unidades de Cuidados Intensivos. Registam-se ainda 2076 casos de recuperação (mais 333 do que ontem) e 1.089 óbitos.