Voltar

Curva epidemiológica dentro do expectável

hospital banner

“Tudo indica que, apesar de termos desconfinado e retomado a atividade, os portugueses mantêm as medidas de segurança”, disse esta quinta-feira a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, destacando que mais de dez dias depois das medidas de desconfinamento, ainda não houve influência na curva epidemiológica da COVID-19.

“A curva de Portugal não é diferente da curva de outros países europeus”, adiantou, ressalvando, no entanto, que “é expectável que todos os dias surjam 200 a 300 novos casos”. Nas últimas 24 horas houve um aumento de 187 casos, mas estes números podem variar “porque em algumas regiões do nosso país o vírus ainda circula bastante”.

“Basta um surto numa fábrica, numa creche ou pessoas serem apanhadas num rastreio como positivas que aumenta o número de casos”, esclareceu, destacando que “estamos dentro do que é normal e expectável para a evolução da epidemia”, o que foi conseguido com as medidas de saúde pública adotadas pela população e com a atuação do SNS no rastreamento, isolamento e tratamento de casos.

No entanto, lembrou a especialista em saúde pública, a pandemia “não acabou”. “Vamos ter casos todos os dias, portanto temos que continuar a fazer força sobre a mola. O vírus vai tender sempre a infetar-nos”, alertou.

A mesma mensagem foi deixada pelo Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales: “Queremos que os portugueses tenham confiança, mas com a salvaguarda da segurança. Fica aqui uma vez mais o apelo para que não facilitemos. Mesmo com uma curva estabilizada e com uma trajetória favorável, a confiança não deve ser excessiva. Que mantenhamos os nossos comportamentos e as orientações e diretrizes da Direção-Geral da Saúde (DGS)”.

Questionado sobre as dificuldades que algumas pessoas podem ter para comprar máscaras sociais, o governante referiu que “tem havido uma mobilização da sociedade civil, em conjunto com as instituições e com as autarquias”, que têm feito com que as máscaras cheguem a toda a população. Por isso, apelou a que “se mantenha essa mobilização”, para que “nunca falte a nenhum português, seja em que condições for, uma máscara para que possa estar seguro e ser um agente de saúde pública em relação à segurança dos outros”.

De acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal regista 28.319 casos confirmados de COVID-19, mais 187 do que no dia de ontem, o que corresponde a um aumento de 0.7%.

Do total de infetados, 82.1% encontram-se em tratamento domiciliário e 2,4% (680) em internamento, dos quais 0,4% (108) em unidades de Cuidados Intensivos.

A última atualização do relatório epidemiológico revela ainda que existem 3198 casos de recuperação, mais 16 do que na quarta-feira, e 1.184 óbitos.