Voltar

Cerca de 30% dos infetados contraíram o vírus em casa

26/04/2020
mulher com máscara banner

Cerca de 30% das pessoas infetadas com COVID-19 contraíram o vírus em casa, 25% em contexto de surtos (em lares de idosos, Instituições Particulares de Solidariedade Social, hostels e numa empresa) e 9% em contactos com familiares e amigos com os quais não partilhavam casa.

Estas foram as principais conclusões de um estudo realizado entre 18 e 24 em abril, com uma amostra de 2.938 casos confirmados de COVID-19, cujos resultados foram apresentados este domingo pela Ministra da Saúde, Marta Temido, na conferência de imprensa de atualização dos dados da pandemia.

Do total de casos confirmados, apenas 44% dos registos tinham informação sobre o local de transmissão, o que levou a governante a fazer “um novo apelo ao preenchimento completos de dados” dos doentes.

“Para que as medidas que adotamos sejam aquelas que respondem” à situação, explicou, é necessário ter “mais informação sobre as pessoas que infetam, o local e as condições em que infetam”.

Para a Ministra da Saúde, os dados mostram “a particular necessidade de ter em atenção que quem está em domicílio continua a ter necessidade de ter cuidados especiais quando está infetado”.

Por outro lado, atendendo à transmissão social (9%), “apesar das restrições decorrentes do estado de emergência”, a ministra apela a que “ninguém baixe as medidas de prevenção da transmissão da infeção”.

“Os números mostram que o esforço tem que ser continuado e que precisamos de continuar com as medidas que temos aprendido e que são a nossa melhor defesa no combate à transmissão e no alívio das medidas de confinamento que precisamos de continuar a considerar para responder a outras necessidades sociais”, referiu Marta Temido.

De acordo com o último boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde, Portugal regista 23.864 casos confirmados de COVID-19, 903 óbitos e 1.329 casos de recuperação da infeção provocada pelo novo coronavírus.