Voltar

Centenas de pessoas realojadas em habitações alternativas

08/06/2020
covid mundo banner

Desde o início da pandemia da COVID-19 foram preparadas mais de mil camas em diferentes estruturas, tendo sido realojadas “várias centenas de pessoas”, adiantou esta segunda-feira o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, na conferência de imprensa diária de atualização dos dados da pandemia.

Questionado sobre as habitações alternativas preparadas para quem não tem condições de cumprir o isolamento, o governante assumiu que não conseguia dar um número “com precisão”, mas assegurou que foram várias centenas de pessoas.

“Tivemos várias estruturas preparadas desde o início [da pandemia]”, lembrou, destacando, por exemplo, a Pousada da Juventude de Lisboa, de Oeiras, de Almada e de Setúbal, bem como o Inatel da Foz do Arelho, o Inatel de Almada, a Base Militar da Ota, entre outras.

No total foram disponibilizadas e preparadas mais de mil camas para acolher pessoas em caso de necessidades. Foram realojadas centenas de pessoas, adiantou, mas “nenhuma destas estruturas ficou completamente cheia e, portanto, continuam disponíveis caso existam determinações da autoridade de saúde pública para realojamento, seja de doentes positivos, seja de doentes negativos, quando os positivos ficam em casa”.

O Secretário de Estado começou a conferência de imprensa com a atualização dos dados sobre a pandemia. De acordo com o boletim epidemiológico publicado hoje pela Direção-Geral da Saúde DGS), Portugal regista esta segunda-feira mais 192 casos confirmados de COVID-19, ou seja, mais 0.6%, o que eleva para 34.885 o número total de casos de doença. O crescimento é inferior ao dos últimos dias, mas o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, pediu cautela na apreciação dos números, porque é normal existirem menos notificações durante o fim de semana.

Por outro lado, registaram-se mais 161 casos de recuperação nas últimas 24 horas, pelo que o país contabiliza agora 21.156 pessoas curadas da infeção provocada pelo novo coronavírus, ou seja, 60.6% dos casos confirmados.

Do total de 12.244 casos ativos identificados neste momento, 97% encontram-se a recuperar no domicílio, enquanto 3% estão internados, dos quais 0.5% em unidades de Cuidados Intensivos e 2.5% em enfermarias.

O país contabiliza 1.485 óbitos relacionados com a COVID-19, sendo que a taxa de letalidade mantém-se nos 4.3%, subindo para os 17.5% na população com mais de 70 anos.